22 maio 2012

ENCICLOPÉDIA DO HUMOR - William Charles

 Bruin se tornou mediador ou negociação de paz 1813

 A Convenção de Hartford ou LEAP NO LEAP

 JOHNNY BULL e alexandrinos (1814)

 JOHN BULL e os baltimoreanos (1814)

Uma cena nas fronteiras, tal como praticada pelos ingleses 
e seus aliados humanos dignos (1812) Filadélfia

William Charles (1776-1820) Nasceu em Edimburgo, Escócia, era um gravador que emigrou para os Estados Unidos e se tornou mais conhecido por suas charges políticas, especialmente "A Convenção de Hartford", talvez o exemplo mais amplamente impresso sobre o assunto histórico. Pouco se sabe sobre sua infância e formação. Charles havia publicado caricaturas políticas em Edimburgo e Londres antes de imigrar para a América. Ele trabalhou extensivamente em Nova York e Filadélfia por volta de 1806 até sua morte.
Charles deve ser considerado como uma figura fundamental na transferência de técnicas e vocabulário dos caricaturistas inglês para um contexto americano. Caricaturas foram o seu forte, mas ele também criou paisagens e ilustrações de livros. Ele trabalhou na linha de ataque, e gravura *stipple , bem como água-tinta. Seu trabalho raramente atingiu um nível artístico. Ele não era nem relator especialista, nem um técnico realizado, embora alguns de seus trabalhos mostram experiência tanto em desenho como técnica. Suas charges mais conhecidas dizem respeito à guerra de 1812.
* Gravura Stipple é uma técnica utilizada para criar um tom em talhe doce de impressão através da distribuição de um padrão de pontos de vários tamanhos e densidades em toda a imagem. O padrão é criado sobre a placa de impressão, quer por arrancando os pontos, ou através de um processo de corrosão. Stippling foi utilizado como um adjuvante de gravura linha há muitos anos, antes de ser desenvolvido como um arte, por si só em meados dos anos 18 século. A técnica permite a sutis variações de tonalidade e é especialmente adequado para a reprodução de desenhos de giz.
Fonte: Wikpedia

2 comentários:

  1. Cultura pode não ser tudo, mais tudo nessa vida, sem dúvida é cultura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cultuar o que nos importa. Obrigado, Nelson.

      Excluir